7 de jun de 2012

Tristes
os dias belos
Se as nossas mãos não se juntam
A passeá-los.

Digo-te…
não haverá dia mais belo do que hoje.
E podia jurar que ouço um fado, vindo de longe,

Foda-se…
Não há um pingo de poesia nesta merda
É que eu tinha toda a poesia para te dar .

Hoje.

“Fica para a próxima.”
Para quando deixar de ficar para a próxima
Esse buraco negro que fica com tudo que era
para ser hoje.
para ti.
para mim.

Há um ramo de flores frescas no lixo
Um lago a secar num peito
E mil beijos mortos na boca.

Um comentário:

Anônimo disse...

Brilhante!

Eduardo olho de Ra