20 de out de 2015

Escola de Magia Para Crianças Agnósticas




fazes bruxedos como quem faz ciência
e andas e danças e respiras e olhas
em direcção aos lugares onde me imagino
a recolher as gotas do orvalho da tua essência
e a escutar a linguagem dos pássaros
que chilreiam Liberdade num voo rasante

fazes bruxedos tão naturalmente como quem mija e caga
fazes bruxedos com elefantes e borboletas
fazes bruxedos porque o amor
primeiro racional e depois sujo na sarjeta
me ilude com truques que o mundo já conhece
e dissolve num copo de utopias rotas

ligasse eu mais ao mundo
e já não roubaria bilhetes para sonhos a dois
como os cachopos traquinas que roubam maçãs
e depois deitam fora o caroço da sabedoria
por não precisarem mais dela
e o mundo não lhes ser mais do que uma fantasia
dessas que tu sabes fazer sem que te seja pedido
enquanto andas e danças e respiras e olhas

podes dizer que estes versos estão do avesso
mostrar as mangas do vestido e não surgir a carta com que me vences

mas eu sei e tu sabes que fazes bruxedos
porque caças monstros que só eu conheço
abrindo alarvemente escolas de magia para crianças agnósticas
que trago dentro do corpo chorando quebrados brinquedos