24 de mai de 2012

Espeta a tua liberdade num pau
Escorre-lhe o sangue para uma malguinha
Dá-a de beber a um gato vadio
E vai dormir meu filho

Que à noite todos os gatos são pardos
E não importa o que isso significa
Na hora de te ires deitar.

Mas ai meus ais!
hoje eu queria tanto sair
e esmagar todos os grilos
que no campo escuro cantam trovas à minha solidão
Apontar o carro a um poste e desviar-me no último segundo
Ser o eco de alguém que grita
Do outro lado do monte
Enlaçar-me na linha de um horizonte

adormecer
e embrenhar-me para sempre
na bruma densa
de um sonho estrangeiro

10 de mai de 2012

Parachutes don't fall by themselves


À noite o relógio dá mais badaladas
No silêncio
Como os pássaros que gritam
À catástrofe

O céu rebola
No poço da morte
Onde gaivotas mortas
M’aninham quedas e glórias

É de tanto correr para trás
Que de vez em quando esbarro de costas
Contra a porta de Deus

Peço desculpa
Como um bêbado que a dançar
Pisa acidentalmente os pés de alguém importante
Que era suposto não estar ali

Mas danço e danço mal
Tomando de uma outra alegria
A certeza de não ser ainda um perecido

Vem depois a manhã
Com a sua língua de venenos e proposições
De obrigações
Roubando-me o sono e o sonho

Se me acordassem ao menos
Para tratar apenas de ervas aromáticas...


3 de mai de 2012

Homem-cão


No teu último toque de seda
Era eu um cão à chuva
A dormir em sobressalto…

Ladrei ao chão,
Na loucura a um avião…
Quanto mais o universo de ti
Em mim crescia
Mais dono do mundo eu me sentia…

Mas eu vivia fora do teu mundo
(não sou desses cães pequenos de se trazer ao colo)
E tu passavas toda coquete
Fazendo-me, entre as grades,
Uma festa de perfume
Que me abanava as orelhas
E esse era o momento mais feliz do meu dia…

Vendo-te depois a entrar num carro
E a dizer-me adeus, com beijinhos de mão estendida…

A Deus!
Esse ‘mais que tudo’ que te rouba de mim
E me concede apenas o teu carinho
Quando uma costela dele te maltratou!

É demais para mim!
Sei que a minha morte te vai parecer um acidente
Quando eu fugir e me atravessar à frente de um carro...

Mas eu sou só um cão
E não deves chorar-me por mais que dois anos
Que são apenas os catorze que me faltavam
Para o 'A Deus' me levar para céu nenhum,
Para lugar nenhum...


2 de mai de 2012

Forget about it


Forget about
What you were
And all the dreams you stirred
All those broken hearts
Enough glued to never
Be recovered…

I am here
And you are there
Everyone’s trying to reach somewhere.
We’re both young
And this song
Never ever cared

For fate at all…

Forget about it
Drink it from my cup
I am fun
And ‘till the dawn
Words won’t cut you up.

Loose the watch
Throw away your phone
Laugh with me
Dance with me
Love me as we’ve never owned

Our strings at all…