13 de mai de 2010

Volto à pedreira abandonada

.
Volto à pedreira abandonada sem cadastro nem infância. Soçobra uma perplexidade paralítica que ficou para guardar a obra no repente de se acudir a um fogo ou ir almoçar. Uma esperança solitária que não chamou por ninguém por achar que não era preciso, e se foi acomodando àquele buraco, com solicitude.

Passaram-se invernos e a pedreira virou estação de serviço para os carros da noite que chegam e vão. Os motores roncam em potência e os faróis alumiam restos de chuva na poça onde vêm beber magros diabos e puristas de gritos perfeitos.

Ah, a pedreira ecoa como um inferno silencioso onde a luxúria sibila uma cantilena que a mão dos homens não arrancou ao abandono das pedras que ficaram.
.

Nenhum comentário: