4 de mai de 2010

Sobre os prazeres

Decidi entrar no cabaret, de carrinho por trás e a pés juntos, sem medo de cartões vermelhos.

Vou ser polémico. Deliberadamente polémico e provocatório.
Queria-vos falar de algo que me anda a quilhar o juízo.

É o seguinte:

Beber shots é estúpido. Ficar bebado é giro, mas por sistema é entediante e triste.Passar o Domingo de ressaca é igualmente estúpido. Fumar é igualmente estúpido.
Não peço que me perdoem por isto. E não me importo que me digam que sou estúpido e tenho a mania que sou bom, porque eu já sei disso. Eu no fundo no fundo tenho é a puta da mania que sou melhor que os outros. Mas é mais lá para o fundo do fundo, porque no fundo no fundo até sou muito bom rapaz, embora não tão no fundo mas mais à superficie do que o fundo do fundo de ter a mania.  Vocês sabem...
Sei que pareço moralista, mas o estar a ouvir Patricia Barber fez-me pensar que isto era mais praseiroso que fumar um milhão de cigarros na vida. Há muita gente que se identifica com filmes tipo “into the wild” e há muita gente que diz “fuck the sistem”, pois é...”fuck the sistem”, e fuck a cultura que nos põe o cigarro na boca de modo tão natural como a nossa sede... de shots. Anda tudo tão triste com o sistema, tudo com tanta vontade de ir para longe da sociedade, quando não percebem que o fugir dela começa com gestos tão simples como deixar de fumar.

É que já sei qual é a porra do argumento: “Os prazeres da vida pá!! Comer , beber, fumar, foder.”



Sim! E qual deles preferem?
Sejam honestos...




Foder não é?

Fumar é fácil, é só questão de passar o sacrificio de ter que fumar os primeiros, até que deixemos de tossir, e depois meter as moeditas na máquina. “Oh Rui liga aí a máquina!”; beber também é fácil...”é mais 5 shots aqui para o povo”, mas Ui!! que carita de desagrado que fazemos quando mamamos o shot!! Dir-se-ia que não é coisa muito agradável. Já foder...
Não é dificil para quem promete casamento, mas para quem pede amor descomprometido como duas passas de cigarro, não é tão fácil. Fica caro porque tem que se levar a gaja para o estrangeiro.
Acreditem não sou o nerd que pensam. Emborracho-me bastante amiúde, mas tenho perfeita consciência do que quero quando bebo mais um shot. Desinibição para lhes ir pedir lume, dizer que não fumo e levar com um olhar que dói mais que um estalo.

Antes que se gerem confusões quero dizer que não sou contra o prazer, antes pelo contrário, sou a favor do quanto mais melhor. O que eu defendo é a diversidade. É urgente construir um mundo mais denso de prazeres. Não podemos afunilar a enorme diversidade de prazer à solta pelo mundo para a a quadrologia simplista do comer-beber-fumar-foder.

E eu pergunto-me tanta evolução para quê se provavelmente o homem-macaco fodia mais que nós?

É por isso que eu venho com este discurso a cheirar a avózinha. Porque cheira-me que os nossos avózinhos pinavam mais e fumavam menos, ainda que ao olhar para eles agora não o consigamos imaginar. Aquilo é que eram bailaricos à séria! Talvez seja verdadeira a tese de que nessa altura tocar na mão de uma menina era o equivalente a uma foda selvagem nos dias de hoje, mas pelo menos sempre se lembravam disso no dia seguinte. É que é importante lembrarmo-nos das fodas que damos, pois essas memórias podem ser úteis em tempos de menos bonança.
Foder é bom e é por isso que já o fazemos à tantos anos e ainda não nos cansamos, porque esta coisa do copo na mão e cigarro na outra, é muito fresca, historico-antropologicamente falando.
Comer também é bom , mas ainda deve ser melhor. Devemos educar as nossas boquinhas para que possam apreciar mais e melhor, além de bifes e batata frita congelada. Os homens-macaco odiavam batata-frita congelada.
Para além de querer com este post (e eu sou arrogante o suficiente para pensar que posso mudar o mundo) falar-vos de diversidade de prazer, quero também introduzir o tema da gestão dos prazeres.

Exemplo:

Quantos de nós já ouvimos pessoas que deixaram de fumar depois de muitos anos a bronzear os pulmões dizerem: “caramba agora o bife até parece que me sabe muito melhor”. É que sabe mesmo!
E ora aqui esta... essa mesma pessoa que além de fumadora é também uma grande apreciadora das maravilhas gastronómicas. Acontece que um prazer anulou outro e é preciso reflectir se vale a pena sacrificarmos verdadeiras orgias do palato em favor de monótonas passas de fumo. Já sei que me vão dizer que não faço ideia do bom que é fumar um cigarro com um café depois do almoço. Talvez seja, mas também vos posso confessar o quão merdoso é beijar bocas a saber a fumo. Sim é verdadeiro quem diz que beijar boca que fuma é o mesmo que lamber cinzeiro.

Não pensem que sou um fundamentalista anti-tabagico, só acho que fumar é muito démodé.
Era giro na época da boquilha, mas agora que ningúem tem nojo de o pôr directamente na boca, e se constrõem poucos edificios em estilo arte nova, onde se dançam swings e fox-trots, é feio.
Só consigo perdoar quem fuma charutos ou cigarrilhas com ar de Mies Van der Rohe ou bebe wiskhy com pinta de Sean Connery.

Também acho pouco elegante ver rapaziada de 14 anos a curtir "Smell like teen spirit" de cigarro na boca. Essa juventude devia estar a ouvir coisas que eu não compreendo, deviam obrigar-me a compreender a sua música ao invés de ouvirem música que era fresquissima para mim à 10 anos atrás. O que eu gostava de chegar ao bar que nós sabemos e ver os putos a curtirem música que parece de tolos e não música que já pareceu de tolos.

Isto está a ficar muito longo por isso passo à síntese final.

A mensagem que eu gostaria de passar (e sei o quão messiánico isto parece!) é que é preciso começarmos a gerir melhor os nossos prazeres assim como renová-los. É tão somente isto.
Talvez a revolução que precisamos seja mais silenciosa do que pensavamos, talvez seja mais fácil do que nos querem fazer crer, talvez envolva menos sangue e mais sorrisos sinceros, talvez seja mais possível do que impossível. 



Seria maravilhoso que este fim-de-semana uma rapariga bonita me viesse pedir “lume” em vez de lumes, um beijo em vez de um shot.
Os beijos andam muito caros quando era suposto serem grátis.
 
Adoro beijos...
... por isso, beijos a todas e abraços bastante comedidos e de rabo empinado para trás a todos.

4 comentários:

Mané disse...

Muito mas muito bom!

Sr. Mal disse...

Meu caro amigo,
Quero, antes de mais, dar-te as boas-vindas ao Cabaret des Morts. Não tenho dúvidas que foste uma excelente contratação para a equipa…

Li o teu post a fumar um cigarrito e acabo de acender outro. Hoje ando meio combalido porque ontem fui à Queima e bebi um shot muito maligno, entre finos. Sou obrigado a concordar contigo quando te queixas dos cigarros e dos shots. Tantos prazeres na vida e um gajo sempre a pedalar na bosta, a estragar-se, a adiar a vida, encurtando-a, ironicamente. Sem querer racionalizar muito sobre os vícios, chego à conclusão de que gosto de uma boa (?) estragação. É estúpido, bem sei, tal como gostar de estar só e ser, por vezes, melancólico…

Acho muita piada a uma frase que está na moda: “meu corpo – meu templo!”

Estupidamente, o meu templo é assim uma espécie de ruína mal tratada. E, se calhar, não tenho sensibilidade para mim. O meu templo é uma igreja que organiza festas e, lá de vez em quando, aparece um santo com o nariz rachado ou os dedos partidos.

O tabaco e o álcool não fazem assim tanto mal à saúde… nós é que abusamos! Na verdade, o que eu realmente gostaria era de só querer fumar um cigarrito de vez em quando, de só me apetecer beber uma cerveja (ou duas) porque faz calor numa tarde de verão. O Jorge Palma (logo ele!) tem uma frase que eu adoro: - “reduz as tuas necessidades se queres passar bem”, ou seja, a felicidade passa por não desejar demasiado. É uma merda que o meu templo se contente só com festas de arromba. O que eu queria, realmente, não era beber vinho mas sim comer uvas de mesa em orgias dionisíacas…

Mas é um facto que está na hora de começar a mudar este estado de coisas. Temos de fazer uma jantarada com uma boa vinhaça para discutir o assunto…

Mais uma vez, bem-vindo ao Cabaret. Como podes notar, é humildezinho e nem sequer tem uma bailarina de can-can. Mas estamos a tratar disso…

Grande Abraço

Anónimo Pralguns disse...

Caro Sr. Mal:
Espero que tenha compreendido que nada tenho contra o alcool ou tabaco, só acho o cigarro "brega". Como disse aprecio quem fuma charutos ou cigarrilhas com ar de Mies Van der Rohe, que para quem não anda muito pelo mundo da arquitectura, foi um famoso arq alemão modernista, ou quem bebe whisky ed e facto sabe se está a beber merda ou puro malte. Eu também adoro uma cervejolas no Verão. Muito mesmo. Assim sem tremoço nem nada. A mensagem que de facto importa destacar é a de diversidade, da busca da qualidade ao invés do "mais e muito do mesmo é que é bom" que parece estarmos a cair ao compasso de passas de Portugês Suave. E claro já sabes o quão Freudiano sou, obrigando-me a analisar o excesso de alcool com carencia sexual.
Perdoem-me a honestidade. Eu tambem adoro festas de arromba, mas daquelas que não sabemos o final, daquelas que nos fazem conhecer amores da nossa vida que duram uma noite, uma semana, um mês, um ano, ou quiças a própria vida.

o meu muito obrigado pelo convite. espero patadas duras.

Bailarina disse...

Bem, depois de tal post, deixo de parte aquela frase, daquela famosa publicidade "Se te der uma Chiquilim vais dar uma volta comigo?" e mando para o ar em tom de provocação esta, "S eu deixar fumar, dz-me um beijo?". 8)

Bem, não levem isto muito a sério, mas é que foi a pergunta que rodou à volta desta cabecinha, enquanto lia este post, que diga-se da passagem tem muita pinta!!

Bjinho*