24 de set de 2009

O Ócio e o Negócio

Calem-se os cépticos! Eis-me chegado de um longo período de marasmo, hibernação e/ou descanso. Vejam-me, os que em mim não acreditaram, como um bombom desses que a televisão publicita, desses chocolates que são retirados do mercado durante a estação das secas, do sol e do calor, para que não percam nenhuma das suas qualidades… podem ver-me assim, os que me julgavam desaparecido, ou ter desistido de comunicar no Cabaret… A verdade, meus caros amigos, é que este vosso humilde narrador só se ausentou por uns tempos, por ter ido de férias ao meu país natal.
Retirei-me, portanto do “negócio”, para gozar uma temporada de ócio. Mas afinal é sempre a isto que a vivencia humana se resume – ao ócio e ao negócio.
Foram umas grandes férias, vividas intensamente e até ao limite. Família, amigos, copos, comida da boa e muitas amigas sempre a entrarem pelos meus aposentos adentro. Ainda agora regressei e já sinto a falta desses regalos tamanhos. O mesmo senti por tudo isto e especialmente por vós meus caros cúmplices, quando me encontrava na mãe Ucrânia.
Já tomei conhecimento de algumas novidades do país e da terrinha e mais particularmente aqui do Cabaret. Desde a minha ausência, soube que mais alguns compinchas se juntaram ao elenco de comunicadores cá do blogue, a todos eles os meus mais sinceros e cordiais cumprimentos e boas vindas.
Assim, não sei se para rejúbilo geral, afianço a continuação da minha escrita neste local, que particularmente deveras me apraz.
Portanto, gozado que está o ócio, vamos ao nosso negócio!

Um comentário:

Amora disse...

Obrigada,meu caro Anatoly.
Os regalos deste recanto são outros mas igualmente prazenteiros e inspiradores.
Entre novamente em cena e apresente o próximo acto do Cabaret.
Passarei depois à minha apresentação, embora "não haja muito para dizer sobre a Amora"...