25 de mai de 2009

Ensaio sobre a Sociedade

Um certo senhor, dotado duma escrita maravilhosa, fê-la um dia cega. Descreveu-a sobre um dos maiores dos seus castigos e fez uma alegoria com o contra-senso de talvez não ser necessária a privaçao da visão para já sermos realmente cegos.
Ora eu diria ainda mais, somos cegos sim, mas também somos estúpidos que nem um tamanco esculpido por um sapateiro punheteiro.
Vivemos numa era em que a tecnologia reina, e quem dela sober retirar proveito, poderá ver a sua vida muita facilitada (daí roubos e falcatruas electronicas existirem desde o inicio da mesma), mas isto também veio criar um novo tipo de personalidades. Uma espécie demora muitos anos a evoluír e adaptar-se (ler "On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or The Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life") no entanto Darwin não contava com a personalidade intrínseca do Ser Humano ao escrever este magnifico livro. Esta sim, evolui em pouquíssimo tempo, e quando digo evolui quero dizer "altera", "muda", "adapta-se", todo um rol de termos que explicam que o Ser Humano se APROVEITA do que lhe é dado. E o que foi dado nesta era tecnologica? A hipotese de ser jornalista, crítico, historiador, matemático, escritor, cientista, biólogo, letrista, músico, etc, etc, etc... Um sem fim de profissões e saberes, que num momento real da vida duma pessoa teria de ser comprovado com um diploma ou atestado superior, mas que nesta era se resume a assinar por "Anonimo". Depois disso, já posso dizer o que quiser, quando quiser, contra ou a favor de quem quiser. Não se lhe deve dar atenção, pois claro que não, mas estou farto de ignorar borrifanas deste género. Estou farto de ser acusado, mal-tratado, muitas vezes na minha própria "casa" por pessoas que no mínimo da ignorância, não sabem escrever o próprio nome.
Muito já terá sido dito e escrito sobre este tema, e sei muito bem que as eleições não se ganham por um voto, mas está um tempo maravilhoso para atirar um balde de água fria.
Poderei um ser criticado pelo mesmo? Não estarei eu a fazer o mesmo ao assinar como "Moço do Chapéu"? Não.. Este sou eu mesmo, o Sr. Mal conheço eu muito bem, e confirmo todos os seus ditos. Tónio Cuco é sem dúvida uma personagem única. E todos encontramos aqui uma mesa para as nossas comezainas e deprovações, não permitindo esta nossa pública partilha de estórias e saber, que alguém chegue e derrame o nosso vinho.

Deixemos de ser cegos, e deixemos de nos acanhar com as livres declarações de estupidez que nos são passadas sem fundamento algum, só para não nos "rebaixarmos". Rebaixar-me-ei sempre que necessário para mostrar quem sou, olhando olhos nos olhos, de quem me põe em dúvida.

Mais uma vez, tenho dito.

Um comentário:

Anatoly Zerka disse...

Cego sou eu, és tu, os nossos amigos e os amigos deles... Somos nós todos, os que escorregamos na merda que produz uma sociedade de carneiros em debanda. Olhamos para o lado e criticamos, apontamos e rimos das atitudes alheias, sem sequer relampejar nas nossas cabecinhas egocêntricas que andamos a fazer por aí as mesmas figuras que tanto criticamos a apontamos aos outros. É sempre mais fácil fazer um aprecio daquilo que foi feito, do que fazer algo, edificar alguma coisa a partir do zero... Mas acredito que a maioria dos críticos e maledicentes que por aí se encapotam, para traçarem pontos pejorativos nas acções dos outros, traçam esses mesmos pontos tendo em vista a sua personalidade e acções.