23 de jul de 2013

movimento perpétuo



Procuro a posição perfeita…
Não encontro.
Não sei se é problema de ergonomia,
Física ou psicologia.

O corpo tenso
Flameja irritação
E o pescoço contorce-se
Para dar aos olhos
a paisagem que
o nariz respira.

e manda lá para os pulmões
aquele ar que enamora o coração,
suspira
e desata o nó do estômago.

O tempo ofendido
Por tua brisa de ócio
Compõe o cabelo,
Vira- costas
E abre caminho,
Resmugando-te:
“misérias e pobreza.”

Enxuto respondes :
“Segue lá a tua vidinha
Que se eu de ti não faço dinheiro
Tu de mim não fazes farinha.”

(solta-se um riso de ressonância
Entre ti, uma viola
as palavras e o silêncio)

E a tarde ,
Vira a bola de um puto perdedor
Que o tempo vencido
Reclama.

“Segue a tua casmurrice
Leva lá contigo o sol e o dia
que á noite… hei-de festejar
num cortejo de alegria.”

Tanto que hás-de arder
Numa grande fogueira
Onde sereno
Rejubilo na doçura musical
Do som decrepito e digladiado
com que te arrastas.

Hei-de rir num círculo de mulheres,
O maior dos seus receios.
Tu e o peso gravidade
No desamparo dos seios.

.

Nenhum comentário: