8 de mai de 2013

Breve apontamento



Caia-lhe o colar ligeiramente para o interior do peito.
        A pele de café da manhã valorizava-lhe o colar de pequenas pétalas brancas
As mãos de dedos finos, agrafavam perigosamente o embrulho…“cuidado para não agrafar os dedos.”
         Ligeiríssimo sorriso, quase impercetível.
Cabelo denso, feito para ser arrumado de um lado para o outro. Teimoso forte e belo. Mil cornucópias barrocas.
         "Raisparta" a memória, que tem mais de poeta que de repórter, sempre a derreter… sempre a derreter. Persistência da memória: abre-se um deserto com umas rochas muito mal espalhadas, e atrás dessas rochas, espreitam lábios,  olhos, o seu corpo, a sua pele.
         Na cabeça percorri todas as comédias românticas que vi até hoje, todos os livros, todas as estórias inventadas por quem já sentiu igual.
         Da boca apenas um obrigado e um bom dia, recibo no bolso, passos na direção da vida que continua.
Saio com a sensação que só nos apaixonamos verdadeiramente por estranhos e que estou a precisar de comprar meias, ou a única camisa que gostei, para além da que trouxe.

Nenhum comentário: