14 de jan de 2013



Não me peças para mostrar os meus sentimentos. Eu sei só escrevê-los. E, ainda assim, só eu sei descodificá-los porque os construí como imagens sobre imagens sobre outras imagens. Cartografias para a falta de memória. Indicações de trânsito para a minha cidade interior que faz esquina com o universo. Se alguma beleza existir naquilo que escrevo é só mera coincidência e deveria ser tão chato como ouvir alguém a falar ininterruptamente sobre as férias no estrangeiro.


Nenhum comentário: