30 de nov de 2012

Entre as silvas



Entre as silvas
Com uma tesoura da poda
O riacho sibila

Destruo a natureza para ela ser mais bela
Aos meus olhos

O cheiro de sangue a sebe cortada
Enche-me de ar o pulmão que respira
A verde frescura

Sou meio
Por ser todo civilizado
Ou talvez servo da beleza

Ou talvez servo da beleza que se desbrava
A cortar caminho por onde mais se ergue
A Natureza

Reza a história que o pão com mel
É o marisco dos esfomeados


Nenhum comentário: