24 de nov de 2011

Sol de Outono

.

Na proa da alma
Embatem ondas de luz
(Tempestade de sol outonal)

No paraíso que se fez hoje
O sagrado banha o banal.

Navego dia dentro
Num pacifismo drogado
Veja a beleza sinuosa       esgueirando-se
Atrás do futuro
Atrás do passado

Agarro tudo ao nada querer
Beijo
O novo dia a nascer.

E adormeço na tarde de um muro
Onde me sonho eterno viajante  
De mochila calções e bibe

Vou dentro de um comboio
Com a vida a fazer-me companhia

Conta-me uma lengalenga aborrecida
“Será sempre presente
Até envelheceres
Até morreres
E voltares a nascer

Para voltar a morrer
E nascer
E morrer
E nascer
E morrer…”

E conta-me que “Só se vive uma vez.”
Convido-a, sereno,
A sair na próxima paragem.
Ela diz-me que não pode sair sem mim
e só resta uma estação.

Nenhum comentário: