26 de nov de 2011

Sol de Outono II

.

Sob o ouro do Outono
Vejo que a minha vida
é uma sombra esticada a lamber o chão.
(Persegue a própria perseguição)

Estou cansado de me remoer.
Corro
Até que o destino me olhe cansado
ofegante como um cão
desde o fundo da rua.

Paro.
Recupero fôlego nas sombras frias de pedra
onde se dilui a razão
(Na outra margem acena-me a paz – nua.)

Sinto-me.
Eu. Sou só eu outra vez.
A vida seguiu a sua vida.

Ainda assim.
Não me sossego
e dentro busco como cego
minha porta da saída.

Porta de entrada
no meu sonho intangível
de existir por entre as coisas
na quietude do invisível.

Nenhum comentário: