19 de jul de 2011

Eu sei

.

Eu sei,
A minha escrita é desatarraxada
Como aqueles parafusos que se tiram da carne
Na convalescença de uma enfermidade…

Eu sei que os meus
Poemas deixam um rasto
De sangue,
Como tudo o que nasce.

Eu sei que às vezes
Pareço aqueles tubos de cola
Que nunca param
De deitar.

Eu sei…

.

Nenhum comentário: