12 de ago de 2009

Os começos

Vivo de começos, de despertares já obsoletos pelo continuo acontecer.
O entusiasmo de um inicio, de um despontar de sensações adormecidas e sentenciadas como esquecidas é fugaz na continuidade da minha existência.
Como abarcar e purgar o todo incompleto e frágil de um começo?

2 comentários:

.lipe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
.lipe disse...

Isto não é o começo... entende-se como um "despertar". *.*


Beijo Amora :'D