16 de jun de 2009

Diploma

.

Terminei o curso mas nunca fui buscar o diploma.
Por alturas da cerimónia, estava a braços com um coma.
Não foram os shots na queima das fitas,
Mas os socos dos pais das rapariguitas…

Percebi da pior maneira
O quanto custa a um pai pagar um curso à filha rameira.
Trabalha-se muito para se ter aqueles calos nas mãos
E ganha-se força impondo à vontade muitos nãos.

As horas passam e a gente a pensar que os pais dormem.
Mas a indisciplina impõe tabefes com gritinhos.
Acordam os pais
E acordam a miar os gatinhos…

Dá sede acordar para o relincho dos pais inconformados.
Com a sela longe e os óculos mal pousados,
Pego no uísque que ficou à cabeceira
E vejo, por um fundo de garrafa, a vir para mim
O pai da rameira.

Exijo silêncio e grito shhhhhhiiu!
Amortalho-me com uma beira de edredão
E o uísque por biberão.
Dou duas chupadelas no que resta
E acordo no hospital de S. João
Com enfermeiras a dizer: - “este não presta!”

Eis a estória da minha formatura!
A das enfermeiras virá noutra altura…

.

Nenhum comentário: