14 de out de 2008

MEMÓRIAS DE PAREDES DE COURA


I CAPÍTULO


A Manhã começou difícil, em Marco de Canaveses. A ansiedade de uma festa que se quer cheia, encheu-me a noite de insónias velhas. Uma madrugada tardia e amiantos mal destilados fizeram o resto. Acordei com uma bigorna nos chifres, mas obriguei-me a depô-la na mesinha de cabeceira pois ainda tínhamos de carregar os baús da Louis Vuitton para a mala do Rolls. Eu sabia que a bigorna me esperaria quando voltasse…


Entretanto chegamos a Paredes de Coura, recebidos em apoteose por um ajuntamento de virgens, de cabelos longos cobrindo os seios nus, montadas em cavalos brancos andaluzes. Perdido, como um menino numa loja de guloseimas, agarrei-me à primeira sela que de mim se abeirou e, enquanto subia com dificuldade, pensava nas doces palavras que haveriam de convencer a casta virgem a debruçar-se sobre as crinas do corcel, erigindo com graça a sua sêmea de madrepérola...


Ela olhou-me nos olhos e disse:

- “Bom dia! São 8 euros e quarenta cêntimos.”

- “Ãhh?” – digo eu, espantado.

E depois com voz masculina:

- “Acorda, caralho!”

Eu acordo. O Romeu olha-me nos olhos e já a espumar-se, amanda:


- “PÁRA DE PUXAR O TRAVÃO DE MÃO, TIRA AS PATAS DE CIMA DO TABLIER E VÊ SE TENS AÍ 40 CÊNTIMOS!!!!”…


Uma vez ultrapassado o episódio da portagem, chegamos à velha vila e estacionamos junto ao cemitério. Eu, cismado na “bela bilha”, ainda me agarrei às grades do malfadado jardim de caroços, vertendo os últimos goles de esperança por uma virgem a cavalo. Uma velha desdentada, mudando flores numa campa, piscou-me os olhos húmidos com cataratas e o universo reconstruiu-se-me nu e cruel.


Abrimos um garrafão de sangria, que levávamos em ofertório para as almas gentis que nos montaram a tenda, e fomos tirar bilhete sob o olhar condenatório de almas impolutas, nessa mesma noite cumpridas, lavadas no Olimpo imaculado das purezas moribundas – o INEM!




Continua…


3 comentários:

Anatoly Zerka disse...

Tamanha foi a festa que moeu vossas mentes e quebrantou vossos corpos... Quer-me parecer que alguém muito mau terá lambido vossa alma...

vasco disse...

prevejo um best-seller, caro amigo. Espero ansiosamente o próximo capítulo.

Rodrigo disse...

Brilhante meu caro :D